segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Meu 1o. Giz

Dica: Excelente para trabalhar com alunos de inclusão...


Para desenhar e pintar sobre papel, papel cartão e cartolina. Fabricado com um formato anatômico que se adapta facilmente as mãos das crianças. Não mancha as mãos. Frágil, evite quedas e choques.



http://www.acrilex.com.br/produtoDetalhe.asp?id=194

domingo, 19 de agosto de 2012

Os livros da coleção Traça traço, em tinta e em braille







Os livros da coleção Traça traço, em tinta e em braille, são endereçados às crianças deficientes visuais em idade pré-escolar e nas primeiras séries do Fundamental I. Os textos curtos e sugestivos e as ilustrações em verniz texturizado - alto-relevo - pretendem desenvolver a capacidade perceptiva tátil de diferentes estruturas básicas - vertical, horizontal e diagonal - e suas combinações. Em todos os títulos - Chuuuu!, Era uma vez uma página em branco, O ponto e Vou pular! - a criança não vidente entra em contato com o ponto e, a partir dele, diversas combinações acontecem, permitindo sua compreensão de limite espacial, lateralidade, espaço vazio, em cima, embaixo,
linha reta horizontal, linha reta vertical, linha sinuosa e outros conceitos que contribuirão para a inserção do não vidente na sociedade.


fonte: http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/2681065/colecao-traca-traco-braille-4-volumes/

Mandala de Lavandas e o poder da Natureza.




As Mandalas e as suas energias positivas

"Desde as mais antigas civilizações, o homem busca estar em contato com as forças do universo e utilizá-las a seu favor. A forma circular da mandala está presente em vários elementos da natureza como na estrutura da flor, nas conchas do mar, no formato das sementes, em pedras, nas grutas, no formato da íris dos nossos olhos, no floco de neve, no Sol, na Lua, na gravitação do nossos sistema solar, etc.

A mandala também está ligada à analogia da totalidade, às forças trancendentais e cósmicas. Desde os tempos mais remotos, o ser humano busca entrar em contato com as energias cósmicas e com as influências do universo, aliadas à suas características de personalidade, aos seus anseios, aspirações ou frustações.

Além de emanar vibrações e energias, as mandalas são decorativas, servem para imprimir energias e também trazem beleza ao ambiente em que se encontram."


"A forma mandálica pode ser encontrada em todo início, na Terra e no Cosmo: a célula, o embrião, as sementes, o caule das árvores, as flores, os cristais, as conchas, as estrelas, os planetas, o Sol, a Lua, as nebulosas, as galáxias. Se observarmos o cotidiano a nossa volta, perceberemos estruturas mandálicas onde nunca pensaríamos haver, como no gostoso pãozinho ou no macarrão que comemos: começam com a massa que depois de amassada vira uma bola – mandala tridimensional – para crescer. O prato onde comemos tem a forma circular, e quando nos servimos formamos uma mandala colorida, que irá nos alimentar e nos nutrir, dando energia e vitalidade ao nosso corpo. A própria Terra foi formada por uma explosão de forma mandálica."
Mundo da Mandalas

Ciclos de Encontros Temáticos na ABBRI

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Oficina na Instituição Espaço Livre

No dia 03 de agosto de 2012 realizei 2 oficinas no Centro  de Ação Social Espaço Livre


Tema- Percepções, sentidos e Deficiências Patológicas
  
Tema – Arteterapia com TGDs - Transtornos Globais do Desenvolvimento  - (autistas) – benefícios das atividades sensoriais e motoras









Os educadores vivenciaram as atividades com artes como se fossem os alunos que eles atendem...

Encontro com Museu Imagens do Inconsciente

domingo, 12 de agosto de 2012

Conversas poéticas entre arte e bebês


Programação realizada em co-curadoria entre a Curadoria de Teatro e a Divisão de Ação Cultural e Educativa do CCSP de 12 a 21 de agosto de 2011



Acompanhando a programação da mostra Conversas Poéticas entre Arte e Bebês, realizada em co-curadoria pela Curadoria de Teatro e pela Divisão de Ação Cultural e Educativa do CCSP em agosto de 2011, a Web TV do CCSP produziu uma série de cinco vídeos especiais: "A mostra", "Mesas de debate e palestra", "Workshop, vivência e oficina", "Espetáculos teatrais" e "Programação especial com Anna Marie Holm". Trata-se de uma maneira de registrar as ações e, ainda, criar um espaço que possa ser fonte de pesquisa nesta área específica da arte de/ para/ com bebês.

 

A mostra Conversas Poéticas entre Arte e Bebês tem como objetivo criar um espaço de
reflexão e a experimentação da arte relacionada à primeira infância, através das artes
plásticas, da dança, da música e do teatro. De 12 a 21 de agosto, o Centro Cultural São Paulo
promove uma série de palestras, debates, cursos para educadores e vivências para pais com
bebês. Nos finais de semana também serão apresentados espetáculos de teatro para o público
de 0 a 3 anos.
"Os pequenos nos convidam a experimentar. Eles têm a arte dentro de si. Eles criam arte. Eles
dizem algo. Algo que perdemos. Algo atraente e sedutor. Algo que não reconhecemos. E que
não podemos explicar. Tudo é muito maior. Para as crianças pequenas existe uma conexão
direta entre vida e obra. Essas são coisas inseparáveis".
(texto Convite, extraído do livro Baby-Art - os primeiros passos com a arte, de Anna Marie
Holm)
Especial | Oficina, Workshop e Vivência | Palestra | Debates | Espetáculos


Programação especial com Anna Marie Holm


Avisos:
Haverá tradução simultânea do inglês para o português
Recomenda-se que os participantes venham com roupas confortáveis.
Nas atividades voltadas aos bebês, cada bebê deve estar acompanhado por apenas um adulto e a participação está condicionada à apresentação da declaração de autorização impressa e assinada pelo responsável legal, acompanhada dos documentos do bebê e do acompanhante.

dia 12/8 - sexta

Workshop
Baby-Art para educadores
com: Anna Marie Holm (artista plástica e educadora dinamarquesa convidada da mostra)
Ensinar como utilizar as artes plásticas com foco no processo natural da criança a partir da relação entre o corpo e os diversos materiais oferecidos. (25 vagas) - Público: educadores - inscrições: de 12 a 29/7, preencher ficha de inscrição disponível a página de Oficinas e Cursos do CCSP a partir do dia 12/7 e enviar para oficinateatro.ccsp@gmail.com Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. - seleção: por avaliação do conteúdo da ficha de inscrição. A lista de selecionados será divulgada nesta página a partir do dia 5/8 - data do workshop: dia 12/8, sexta, das 14h às 18h - Sala de Ensaio 1

dia 13/8 - sábado
Vivência para pais e filhos
com: Anna Marie Holm (artista plástica e educadora dinamarquesa convidada da mostra)
Aproximar pais e filhos através da atividade artística simples utilizando recursos ignorados pelo senso comum do brinquedo industrializado. (25 vagas) - Público: adultos com bebês de 0 a 3 anos - material: cada participante deve trazer uma peça de roupa usada que possa ser customizada - inscrições: de 12 a 29/7, preencher ficha de inscrição disponível a página de Oficinas e Cursos do CCSP a partir do dia 12/7 e enviar para oficinateatro.ccsp@gmail.com Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. - seleção: por ordem de recebimento da ficha de inscrição. A lista de selecionados será divulgada nesta página a partir do dia 5/8 - data da vivência: dia 13/8, sábado, das 10h30 às 13h - Sala de Ensaio 1

dia 14/8 - domingo
das 10h30 às 13h30 Conversa aberta sobre Baby-Art
com: Anna Marie Holm (artista plástica e educadora dinamarquesa)
A artista falará sobre a proposta do seu livro Baby-Art os primeiros passos com a arte, no qual aborda as relações entre a arte e o desenvolvimento criativo infantil, pelo caminho da simplicidade de ideias, recursos e materiais.
Entrada franca - sem necessidade de inscrição, nem retirada de ingressos
Sala Adoniran Barbosa


Oficina, workshop e vivência


Avisos:
Recomenda-se que os participantes venham com roupas confortáveis.
Nas atividades voltadas aos bebês, cada bebê deve estar acompanhado por apenas um adulto e a participação está condicionada à apresentação da declaração de autorização impressa e assinada pelo responsável legal, acompanhada dos documentos do bebê e do acompanhante.

dia 19/8 - sexta
Workshop
Musicalização para bebês: didática para a estimulação e sensibilização musical
coordenação: Enny Pajero
Objetivos: Sensibilizar o bebê ao ambiente sonoro e à música. Estimular o desenvolvimento sensorial, motor, cognitivo e afetivo do bebê. Estimular a comunicação do bebê com a mãe e com o ambiente social que o envolve. Promover a interação do bebê com o ambiente cultural que o cerca através do contato com diversas manifestações sonoras e musicais. (40 vagas) - Público: educadores - inscrições: de 12 a 29/7, preencher ficha de inscrição disponível disponível a página de Oficinas e Cursos do CCSP a partir do dia 12/7 e enviar para oficinateatro.ccsp@gmail.com Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. - seleção: por avaliação do conteúdo da ficha de inscrição. A lista de selecionados será divulgada nesta página a partir do dia 5/8 - data do workshop: dia 19/8, sexta, das 14h às 18h - Sala Paulo Emilio Salles Gomes

dia 20/8 - sábado
Vivência
Dança Materna
coordenação: Tatiana Tardioli
Vivência de dança para mães e pais com bebês. Quando dança com a mãe, o bebê tem uma experiência proprioceptiva diferente da maioria dos momentos de sua vida; sua mãe dança com ele nos braços, realiza alguns carregamentos e depois o aconchega num sling, onde percebe a si mesmo e a mãe em inclinações, giros e movimentos ritmados com qualidades variadas. (15 vagas) - Público: bebês de 0 a 18 meses acompanhados por apenas um adulto - material: os participantes devem trazer carregador do tipo canguru ou sling (haverá disponibilidade de seis carregadores para empréstimo) - inscrições: de 12 a 29/7, preencher ficha de inscrição disponível disponível a página de Oficinas e Cursos do CCSP a partir do dia 12/7 e enviar para oficinateatro.ccsp@gmail.com Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. - seleção: por ordem de recebimento da ficha de inscrição. A lista de selecionados será divulgada nesta página a partir do dia 5/8 - data da vivência: dia 20/8, sábado, das 10h30 às 12h30 - Sala de Oficinas 1

dia 21/8 - domingo
Oficina
O corpo lúdico
coordenação: Grupo Papo Corpóreo de Londrina
A oficina é destinada aos profissionais da educação e propõe uma reflexão sobre as possibilidades de expressão pelo corpo através das vivências corpóreas do professor e, desta maneira, pretende-se ampliar as possibilidades de exploração do movimento e do lúdico no ambiente escolar, como forma de promover um aprendizado amplo e prazeroso tanto para o aluno quanto para o educador. (25 vagas) - Público: educadores - inscrições: de 12 a 29/7, preencher ficha de inscrição disponível disponível a página de Oficinas e Cursos do CCSP a partir do dia 12/7 e enviar para oficinateatro.ccsp@gmail.com Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. - seleção: por avaliação do conteúdo da ficha de inscrição. A lista de selecionados será divulgada nesta página a partir do dia 5/8 - data da oficina: dia 21/8, domingo, das 10h30 às 12h30 - Sala de Oficinas 1
Inscrições encerradas: A lista de selecionados está disponível somente na página de Oficinas e Cursos do CCSP

Palestra


dia 16/8 - terça
das 19h30 às 22h30 Bebês e consumo: questões privadas x questões sociais
com: Madalena Guasco Peixoto (professora doutora da Faculdade de Educação da PUC/SP)
Entrada franca - sem necessidade de inscrição, nem retirada de ingressos
Sala Jardel Filho

Debates


dia 17/8 - quarta
das 19h30 às 22h30 Arte e Bebês: aproximações e distanciamentos
com: Marina Machado, Ana Angélica Albano e Rejane Coutinho - mediação: Francisco Gonsales
Olhares sobre a produção criativa da primeira infância.
Entrada franca - sem necessidade de inscrição, nem retirada de ingressos
Sala de Debates (70 lugares)

dia 18/8 - quinta
das 19h30 às 22h30 O Bebê e a Cidade
participantes: Irene Nagashima (CineMaterna), Isadora Canto (Projeto Acalanto), Tatiana Tardioli (Dança Materna) - mediação: Carlos Eduardo Corrêa
Iniciativas culturais para pais com bebês.
Entrada franca - sem necessidade de inscrição, nem retirada de ingressos
Sala de Debates (70 lugares)

dia 19/8 - sexta
das 19h30 às 22h30 Teatro e bebês: deles, com eles, para eles?
com: Cia. Noz, Cia. Zin, Grupo Papo Corpóreo e Núcleo Trecos e Cacarecos - mediação: Lucia Maria Lombardi
Investigação sobre produção teatral e bebês.
Entrada franca - sem necessidade de inscrição, nem retirada de ingressos
Sala de Debates (70 lugares)

Espetáculos


dia 13/8 - sábado
às 14h30 e às 16h O que eu sonhei?
grupo: Cia. Zin - direção geral: Fafi Prado - elenco: Elenira Peixoto e Fafi Prado
(30min) A montagem traça um roteiro de movimentos e gestos cotidianos poetizados pelo estado de devaneio e de sonho. Em cena, duas personagens interagem em um espaço entre o real e o onírico. As ações misturam realismo e fantasia no momento antes de dormir, enquanto sensações do dia são revisitadas. Ao sonhar, os elementos se misturam e, ao acordar, apenas fragmentos deste sonho pairam na memória: "O que eu sonhei?".
Entrada franca - retirada de ingressos: na bilheteria, uma hora antes do início de cada apresentação
Sala Jardel Filho (70 lugares, para adultos com bebês de 0 a 3 anos)
Veja também:
Após a segunda sessão do espetáculo, haverá uma visita especial à I Mostra do Programa de Exposições 2011, como parte do projeto de mediação Linhas de encontro... Atrás do desejo e da criação

dia 14/8 - domingo
às 14h30 e às 16h O jardim de Caicara
grupo: Núcleo Trecos e Cacarecos - direção: Lilian Guerra - criação e interpretação: Andréa Egydio
(30min) Conta a trajetória da protagonista Caicara, que vive em seu jardim. Ela está em constante movimento, percebendo o mundo ao seu redor e guardando dentro de si suas primeiras impressões, seus primeiros registros da vida. Com suas coisinhas, realiza trabalhos cotidianos, até que um dia resolve fazer um passeio especial.
Entrada franca - retirada de ingressos: na bilheteria, uma hora antes do início de cada apresentação
Sala Jardel Filho (70 lugares, para adultos com bebês de 0 a 3 anos)

dia 20/8 - sábado
às 14h30 e às 16h Berço de espuma
grupo: Papo Corpóreo - direção, figurino e cenografia: o grupo - profissional em arte infantil: Carolina Souza Matos - elenco: Andréa Pimenta e Gracieli Maccari dos Santos - voz da criança: Felipe Prestes
(35min) O espetáculo narra a trajetória de um individuo que - assim como um bebê - vai descobrindo a si e o mundo que o cerca a partir do contato com o próprio corpo e com tudo que o rodeia. Baseado em poesias e observações, o espetáculo apresenta uma experimentação de sons e imagens, privilegiando a estimulação dos sentidos aliada a um jogo lúdico. A peça visa à participação direta dos bebês, que assistirão a um espetáculo em que voz, música, luz, objetos e projeção de imagens têm igual importância.
Entrada franca - retirada de ingressos: na bilheteria, uma hora antes do início de cada apresentação
Sala Jardel Filho (70 lugares, para adultos com bebês de 0 a 3 anos)

dia 21/8 - domingo
às 14h30 e às 16h Oras bolas
grupo: Cia. Noz - direção geral e concepção: Anie Welter - elenco: Cida Sena, Ernandes Araújo, Paulo Enrique Alves, Renata Andrade, Sheyla Coelho e Verônica Giordano - stand by: Rafael Bolacha
(45min, livre) Oras bolas é um espetáculo de teatro infantil contemporâneo que envolve técnicas de dança, música, artes plásticas e animação de objetos que se transformam em bonecos à medida que são manipulados pelos atores. Por meio de experiências lúdicas com bolas e outras formas geométricas, brinquedos, baldes e balaios transformam-se em "bonecos-personagens", dando origem a pequenas histórias. A trilha sonora mistura diálogos relâmpagos, músicas cantadas ao vivo e outras, compostas especialmente para a encenação.
Entrada franca - retirada de ingressos: na bilheteria (terça a domingo, das 10h às 22h), somente na semana da apresentação
Sala Jardel Filho (324 lugares)

Veja também: a Web TV do CCSP produzir cinco vídeos especiais de registro desta

programação.

Clique abaixo para assistir.

fonte: http://www.ccsplab.org/educativo/index.php?option=com_content&view=article&id=148:bebes&catid=68:documentacao&Itemid=87

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Unesp libera conteúdo didático voltado para graduação e pós-graduação

Projeto intitulado "Unesp Aberta" disponibiliza material de seus cursos de graduação e pós-graduação gratuitamente
reprodução Stock
Para ter acesso ao conteúdo é preciso criar login e senha no site do projeto.


Material didático à disposição de todos. Sem dúvidas, item essencial para o desenvolvimento da educação e, consequentemente, da sociedade. Como forma de contribuir para que tal propósito seja alcançado, o projeto Unesp Aberta reúne mais de 17 mil itens educativos e os disponibiliza gratuitamente na internet.
O conteúdo, oriundo dos cursos de graduação e pós-graduação da instituição, contribui para o aperfeiçoamento de professores nas áreas de Biológicas, Exatas e Humanas. Videoaulas, textos, livros digitais, mapas e outros elementos integram o acervo digital.
A Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp) e a Universidade Aberta do Brasil (UAB) também contribuem com conteúdo. As disciplinas abordadas resultam do convênio da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo com a Unesp, USP e Unicamp, chamado Redefor.


fonte: http://catracalivre.folha.uol.com.br/2012/06/unesp-libera-conteudo-didatico-voltado-para-graduacao-e-pos-graduacao/

Expressive Therapies Summit em Nova York



November 8-11, 2012
Online registration is now available for the third annual Expressive Therapies Summit, to be held in New York City, November 8-11, 2012. This exciting continuing education opportunity offers creative arts therapists and educators, arts professionals, and interested healthcare colleagues the chance to come together to learn, collaborate, and network. Last year, nearly 600 people registered from 8 countries around the world.
This year, a faculty of more than 175 clinicians, educators, researchers, and others will present an inspiring program of papers, panels, workshops, full-day master classes, and
two-day training intensives on art, music, drama, dance, and poetry therapies as well
as psychodrama, play therapy, and sandplay for populations of all ages and abilities.

 

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Visitas Teatralizadas


Visitas Teatralizadas

10 Mar a 31 Dez
Local: CCBB SP
Horário: Sábados, às 15h



Imagine reviver a época na qual o prédio, que hoje abriga o CCBB, sediou a primeira agência do Banco do Brasil em São Paulo, na década de 20. Transformações como novos prédios, luz e bonde elétrico tomaram a cidade, que crescia com a riqueza do café e da indústria. Esta história se reflete na arquitetura do prédio com deuses da mitologia greco-romana e elementos dos estilos Art Nouveau e Art Déco. Os mestres de cerimônia deste encontro são atores e músicos que, vestidos a caráter, fazem o público voltar no tempo.

Duração média de 40 minutos.

Ponto de encontro: Em frente à bilheteria.

Idade recomendada: 5 anos.


Informações
Data: Evento permanente Idade recomendada:

Horário: Sábados, às 15h
Local: Rua Álvares Penteado, 112 - Centro
Bilheteria: Terça a domingo, das 9h às 21h | Telefones: (11) 3113-3651/52
Ingressos: Entrada franca | senhas distribuídas 1h antes do evento

Roteiros Especiais: Visita em Libras





Roteiros Especiais: Visita em Libras 12 Mai a 31 Dez

Local: Térreo, 1º, 2º e 3º andares | CCBB SP
Horário: Sábado, às 13h


Visita  sobre o prédio do CCBB para surdos ou ouvintes fluentes em Libras.

Duração média de 1h.

Número máximo de visitantes: 10 pessoas.

Para grupos maiores é necessário agendamento prévio.

Recomendação etária: a partir de 5 anos.


Informações
Data: Evento permanente Idade recomendada:

Horário: Sábado, às 13h
Local: Térreo, 1º, 2º e 3º andares | Rua Álvares Penteado, 112 - Centro
Bilheteria: Terça a domingo, das 9h às 21h | Telefones: (11) 3113-3651/52
Ingressos: Entrada franca

Roteiros especiais: Visita Sensorial


 

1 Jan a 31 Dez
Local: Fachada, cofre no subsolo, térreo,
1º, 2º e 3º andares |

CCBB SP
Horário: Quintas e Domingos, às 15h

Quer conhecer a história do prédio do CCBB de uma maneira inusitada? O visitante é convidado a participar de um jogo com diversas possibilidades sensoriais que o leva a uma viagem histórica, passando pelos estilos arquitetônicos do prédio e resgatando a imagem da sociedade paulistana dos anos 1920.

Duração média de 1h, para grupos de até 5 (cinco) pessoas. Para grupos maiores é necessário agendamento prévio.

Recomendação etária: a partir dos 10 anos.

Informações
Data: Evento permanente Idade recomendada:

Horário: Quintas e Domingos, às 15h
Local: Fachada, cofre no subsolo, térreo, 1º, 2º e 3º andares | Rua Álvares Penteado, 112 - Centro
Bilheteria: Terça a domingo, das 9h às 21h | Telefones: (11) 3113-3651/52
Ingressos: Entrada franca

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Peça de teatro: Lilás



A personagem Lilás tem muito a ver comigo...



   

Peça de Teatro baseada no livro “Lilás: a menina diferente” (autora Mary L. Whitcomb) encenada por profissionais da Instituição ABADS das áreas de: psicologia, pedagogia, arteterapia, terapia ocupacional, terapia familiar e musicoterapia.


A Peça baseada no livro “Lilás” procurou ensinar o público a aceitar a realidade das coisas, por mais estranhas que pareçam, narrando a história de uma “menina diferente”, estimulando o público a usar a imaginação, ajudando em novas descobertas. A personagem Lilás, no início da peça, é incompreendida pelos colegas, mas no final ela se revela como ser especial e de grande sensibilidade.A Peça de teatro realizada na ABADS contou com a participação do público com atividades interativas através do texto, da música e de mensagens e opiniões escritas aos personagens da trama.


fonte: http://www.abads.org.br/view_materia.php?i=427&s=50

Audiodescrição

Audiodescrição: instrumento eficaz na inclusão social de pessoas com deficiência visual
A audiodescrição é reconhecida como recurso de tecnologia assistiva, e, felizmente, cada vez mais usado, inclusive do ponto de vista pedagógico
 
http://www.agoratoonline.com.br/imagens/sp.gif

A Audiodescrição, técnica que transforma o visual em verbal, é o caminho para o acesso de pessoas com deficiência visual à cultura e à informação, contribuindo para sua inclusão social.
Criada na década de 1970 pelo norte-americano Gregory Frazier em sua dissertação de mestrado sobre cinema para cegos, e apresentada à Universidade de São Francisco, a audiodescrição foi efetivamente implementada somente em 1981 pelo casal Margaret Rockwell e Cody Pfanstiehl, como forma de ampliar o entendimento das pessoas com deficiência visual em qualquer evento em que haja imagens, sejam elas estáticas ou em movimento, concretas ou abstratas.
“Todos, inclusive idosos e disléxicos, podem ser beneficiados quando a tradução das imagens em palavras seguir regras básicas, sem inferências, interpretações ou explicações. Talvez este seja o maior cuidado que se deve ter no uso deste importante instrumento para as pessoas com deficiência visual, pois a audiodescrição exige estudo, aprofundamento e técnicas sistematizadas de acordo com a manifestação artística, e por isso é reconhecida como um trabalho profissional”, explica Rosângela Ribeiro Mucci Barqueiro - coordenadora de relações institucionais da Laramara (Associação Brasileira de Assistência ao Deficiente Visual), psicóloga, audiodescritora e consultora em Inclusão.
A técnica se aplica para eventos culturais (peças de teatro, filmes, desenhos, animações, programas de TV, exposições, musicais, óperas, desfiles de moda, espetáculos de dança, mágica, acrobacias, artes circenses), religiosos (missas, batizados, crismas, procissões, casamentos, funerais, cultos e rituais em geral), turísticos (passeios, visitas, roteiros turísticos), esportivos (jogos, torneios, olimpíadas, caminhadas, trilhas, lutas, competições em geral), acadêmicos (livros, apostilas, palestras, seminários, congressos, aulas, banners, feiras de ciência, experimentos científicos, histórias), corporativos (reuniões, treinamentos, murais de avisos, publicidade e apresentações).
Segundo Rosângela Barqueiro, “com a inclusão nas escolas, a tendência é que haverá um avanço maior e mais rápido do uso deste importante instrumento, e só com ele será possível atender às exigências de acessibilidade à informação para as pessoas com deficiência visual”.
Como funciona
Para qualquer tipo de audiodescrição, é necessário que o audiodescritor-roteirista tome conhecimento do material previamente, pois é preciso estudar termos a serem introduzidos em seu script de forma precisa, para ser coerente e fiel à obra. Qualquer que seja o tema a ser abordado é imprescindível uma preparação e o respeito pela linguagem proposta pelo autor.
Esse recurso pode ser ao vivo ou gravado. A audiodescrição ao vivo significa que é narrada no mesmo momento da ação, porém, seguindo um roteiro prévio. É o caso de uma peça de teatro, que, por acontecer eventuais improvisos, não deve ser gravada. Em teatro e cinema, por exemplo, o equipamento usado é o mesmo da tradução simultânea. Os audiodescritores ficam em cabines narrando em microfones e o som é transmitido para os usuários por meio de equipamentos radiofônicos sintonizados numa determinada frequência, através dos fones de ouvido.
Já em auditórios, salas de aula, eventos mais específicos e com poucos recursos financeiros, utiliza-se um aparelho de transmissão de FM, cuja audiodescrição é recebida em rádios comuns de FM sintonizados no melhor canal de transmissão local e com os fones de ouvido. Este é o mais recomendado, pois, além de eficiente, a própria pessoa com deficiência participa com seu rádio e seus fones, tendo domínio total do volume e sintonia, além de ser mais confortável, pois seus fones são de uso exclusivo.
A audiodescrição gravada é feita em estúdio com diretor e técnico de gravação. É feita a sincronização do áudio extra com a audiodescrição e o som do filme. A transmissão da audiodescrição na TV se faz por canal secundário de áudio e a maior parte das transmissões atuais na TV brasileira só está disponível na TV Digital.
A audiodescrição é reconhecida como recurso de tecnologia assistiva, e, felizmente, cada vez mais usado, inclusive do ponto de vista pedagógico. Ainda não está sendo usado em todas as escolas, no entanto, é cada vez maior a participação de professores envolvidos na construção da inclusão efetiva nas salas de aula. “É um processo trabalhoso, mas igualmente gratificante e satisfatório, porque sai do discurso e passa para a ação, proporcionando, assim, coerência e harmonia entre pensar, sentir, falar e agir com inclusão”, conclui a especialista.
A Laramara, por meio de seu departamento de relações institucionais, já realizou quatro edições do Curso Introdutório à Audiodescrição, com o objetivo de disseminar o conceito para diferentes públicos. Desde 2008, vem negociando com escolas técnicas e profissionalizantes a possibilidade de realização do curso, objetivando mais oportunidades para os profissionais da área de comunicação, bem como a ampliação do uso do recurso nas atividades que buscam acessibilidade e inclusão.


Veículo: Portal Terra

Coluna: Economia/Terra da Diversidade

Cidade: São Paulo SP

Data: 13/07/2012



Seminário sobre Autismo